Peripécias da Vida LI


Diana: Aqui diz que não estás. Mas Fizes-te só um? – Ela comprou dois, para o caso de estiver errado ela fizesse outro

Margarida: Sim só fiz esse, mas vou fazer outro.

Esperamos outra vez, já não tão impacientes, mas o nervosismo continuava.

Margarida: Está aqui. – Desta vez quem pega no teste sou eu

Mariana: Não estás. – Ela tira-me o teste da mão

Margarida: Não estou grávida, não estou grávida.

Diana: Mas que te sirva de lição. Não quero dar numa de mãe, mas foste irresponsável Margarida.

Mariana: A Diana tem razão, tá bem que podia acontecer a qualquer um mas tens de te cuidado.

Margarida: Eu sei que sim, desculpem lá este momento… Mas tive medo. E não volta a acontecer…

Mariana: Nós agora temos de ir.

Margarida: Ah tarde combinei ir ter com o André. Venham também.

Diana: Onde??

Margarida: Ao parque… Vai ser giro!

Mariana: Tenho de falar com o Rodrigo.

Diana: E eu com o Afonso. E as nossas mães? - Perguntou

Mariana: Acho que deixam. E temos de ir não?

Diana: Sim é melhor, e tu minha menina, tem mais cuidado.

Margarida: Isto não vai repetir-se! Até logo!

Saímos de casa da Margarida e íamos as duas a falar, quando o meu telemóvel toca.

Mariana: Quem será agora? – Peguei no telemóvel – É a namorada do meu pai.

Diana: É melhor atender.

(chamada)

-Tou?

-Mariana, é a Sónia… A namorada do teu pai.

-Sim, eu sei. Que se passa? – Nisto oiço choro – Sónia, tem calma. Diz-me o que se passa.
-Foi o teu pai, ele teve um acidente. Está no hospital, parece que é grave. Era só para te avisar…. Tou Mariana? – Deixei cair o telemóvel, estava em choque começei a chorar, chorei muito, a Diana apanhou o telemóvel e continuou a falar

-Estou, é a Diana, uma amiga. Pode dizer-me o que se passa?

-Foi o Luís, ele teve um acidente, acho que é grave. Diz-lhe que se quiser vir ao Algarve eu estou ah espera dela mas que me avise para eu ir busca-la ah estação.

-Sim eu aviso, mantenha-se calma por favor. Vou desligar com licença.

-Ok, obrigada e por favor tenta acalmar a Mariana.

(fim de chamada)

Ambas desligaram, eu estava em choque, não acreditava, não podia ser o meu pai… Ele sempre foi cuidadoso na estrada.   

Diana: Anda, vamos para casa. – Disse ao levantar-me do chão

Mariana: Eu tenho de ir já para o Algarve, tenho de estar ah beira do meu pai.

Diana: E vais, mas primeiro vamos a minha casa, tu avisas a tua mãe e a seguir partes já para o Algarve.

Fomos acorrer o mais que podemos para casa dela. Quando lá chegámos as forças faltaram-me, caí no chão a chorar desesperadamente, ocorriam-me milhares de imagens na cabeça do meu pai e eu a brincarmos nos dias de inverno, ah lareira com legos e cartas, fazíamos castelos enormes de cartas. Imagens minhas e dele na praia quando ainda era pequena, como nós corríamos, brincávamos, sorriamos, divertíamo-nos acima de tudo. A minha mãe ficou a saber de tudo e fomos para casa, eu peguei numa mochila, meti tudo o que veio ah mão, calções, camisolas, sapatilhas, casacos, tudo mesmo e fui a uma moldura onde estava eu e o meu pai na praia, sorridentes como sempre tirei a fotografia e levei-a comigo. O Rodrigo entrou no meu quarto e viu-me a chorar. Deu-me um abraço e disse que vinha comigo, eu não discuti porque no meu estado normal dizia que não. Seguimos caminho até ah estação compramos dois bilhetes para Faro despedi-me da minha mãe e do Gonçalo e entrei no comboio. E sentei-me, o Rodrigo sentou-se ao meu lado.

Rodrigo: É melhor ligares ah namorada do teu pai a dizer que vais para baixo.

Mariana: Sim vou já fazer isso.

(chamada)

-Tou, Sónia?

-Sim, que se passa Mariana? – Perguntou um pouco preocupada

-Comigo nada, era só para avisar que estou a caminho do Algarve.

-A tua mãe sabe? Disseste-lhe? Vem alguém contigo?

-Sim a minha mãe sabe e o meu namorado também vem comigo.

-Então quando chegares ah estação liga-me que eu vou-te buscar. Eu tenho o meu irmão aqui comigo ele fica aqui e eu vou-te buscar. Fica combinado?

-Sim, não te preocupes. Como é que está o meu pai?

-Não sei, e estou realmente preocupada, não o posso perder, não posso ele é demasiado importante para mim. – Disse começando a chorar – Desculpa.

-Não me peças desculpa, tenta manter-te forte. Pelo menos até eu chegar aí, faz isto pelo meu pai Sónia.

-Sim, eu faço isto por ele. E tu também tens de ter calma. É melhor desligar. Até já.

-Até já Sónia.

(fim de chamada)

Rodrigo: Então novidades?

Mariana: Não tudo na mesma, a Sónia é que está muito acelerada.

Rodrigo: É compreensível amor.

Mariana: Oh Rodrigo, eu não posso perder o meu pai, não posso. Ele é o melhor pai do mundo, ele nunca teve um acidente de carro, sempre respeitou as regras da estrada. Porquê ao meu pai? Porquê? Ele não merece. – Umas lágrimas escorriam-me pela cara

Rodrigo: Não podes pensar no pior. Se pensares assim ele não melhora queres isso? – Eu acenei que não e deu-me um abraço forte e de seguida um beijo leve

Mariana: Amo-te nunca me deixes.

Rodrigo: Eu nunca te vou deixar porque tu és o meu sol e sem ti no centro do sistema solar perco a razão de girar ou melhor de viver. – Ficou um bocado envergonhado – foi um bocado piroso mas tu percebes-te a mensagem. – Aproximei-me dele e beijei-o com todo o amor que sentia e ele também, fomos interrompidos por um homem

Senhor: Peço desculpa por interromper, mas já estamos em Faro. Tenham um resto de boa noite. – E saiu da nossa beira

Rodrigo: Eu és forte não tenhas dúvidas disso. E conta sempre comigo porque eu estou sempre aqui. – Deu-me um beijo na testa, pegamos nas mochilas e saímos

Mariana: É melhor mandar uma mensagem ah Sónia.

Rodrigo: Manda então.

Mensagem enviada: Sónia já cheguei ah estação podes-me vir buscar. Até já beijinhos

Mensagem recebida: Vou-te já buscar. Até já beijinhos

Em menos de 5 minutos a Sónia já estava ah nossa beira, apresentei-a ao Rodrigo e dirigimo-nos ao hospital.

Sónia: Não queres ir para casa descansar? Eu aguento o barco aqui. Tu deves querer descansar e o Rodrigo também, eu posso levar-vos a casa e preparar-vos algo para comerem. – Peguei nas mãos dela

Mariana: Sónia não te preocupes comigo, daqui a pouco nós vamos comer. E obrigada pelo que estás a fazer por mim.

Sónia: Não me agradeças, só quero o teu bem! - Saímos do carro e o Rodrigo entrelaçou as nossas mãos o que de certa forma me deu força para entrar no hospital.

Sentámo-nos numa salinha de espera. Um médico dirige-se ah Sónia.

Médico: Boa noite, é a esposa do Senhor Luís?

Sónia: Sou apenas namorada. Mas diga, diga.

Médico: Ele está livre de perigo, mas não pode receber visitas.

Sónia: Amanhã de manha já tem visitas doutor?

Médico: O estado dele está voltar ao normal, sofreu um traumatismo craniano, teve várias lesões no corpo e partiu o braço esquerdo.

Sónia: Ele vai ficar bem doutor?

Médico: Vai, não preocupe. Agora pode ir para casa e comer alguma coisa.

Sónia: Obrigada. – Veio ao pé de mim e explicou-me o sucedido – Agora vamos jantar ao shopping porque não me apetece fazer comida.

Mariana: Sim vamos, amanhã vimos as duas para o hospital?

Sónia: Se quiseres vir comigo claro que vens!

Mariana: Sim eu venho contigo. Rodrigo, se quiseres podes votar para cima. Escusas de perder mais aulas por minha causa.

Rodrigo: Nem penses eu fico aqui contigo até o teu pai ter alta.

Sónia: Queres ser já apresentado ao teu sogro? Parece-me uma boa ideia. – Piscou-me o olho

A seguir fomos jantar e fomos logo para casa para dormir.







Ora mais um capitulo, comentem... É muito importante, por favor.
Espero que gostem! :D

Beijinhos Mara