Peripécias da Vida L


Rodrigo: Sabe? Mas como? – Perguntou

Mariana: Ela viu o nosso beijo. Mas não te preocupes, ela está do nosso lado e vê que o nosso amor é verdadeiro.

Rodrigo: Quem me dera que a minha avó fosse assim.

Mariana: Vá lá, ela disse que não contava nada.

Rodrigo: Só espero que eles não descubram já!

Mariana: Também eu. Mas agora quero um beijo como deve de ser. – Beija-me – Assim está bem!

Rodrigo: Agora quando é que te tenho como namorada?

Mariana: Hoje ah tarde. Peço ah minha mãe para ir ao parque com a Diana e o Bruno e tu vens também.

Rodrigo: E o Bruno? Ele vai perceber.

Mariana: Isso resolvemos lá. Agora não penses nisso, vamos ter muito tempo para estarmos juntos.

Rodrigo: Eu sei que sim amor. – Ele ligou a televisão e ficamos a ver. – Não dá nada de jeito.

Mariana: Pois não. – Concordei

Gonçalo: Pois não o quê? Posso saber meninos?

Mariana: Acabámos de nos irritar com a televisão.

Gonçalo: Então porquê?

Rodrigo: Porque só dá crise, roubos e doenças.

Gonçalo: Doenças, é o que não falta. – Começou a contar uma história de uma senhora que era obesa e pôs banda gástrica, a operação não correu como o esperado e ela ficou internada em coma – Como vêm notícias más é em todo lado.

Susana: É verdade querido. Foi uma colega minha que operou essa senhora e ela está mal psicologicamente porque se culpa da operação ter corrido mal. – Disse a minha mãe ao entrar na conversa

Mariana: Coitada da senhora. Nunca me passou pela cabeça que os médicos ficassem com esse peso na consciência.

Gonçalo: Mas ficam…

Susana: Bem vamos para casa da Madalena? – Perguntou a minha mãe

Mariana: Vamos.

Saímos de casa, metemo-nos no carro e fomos para casa da Madalena. Quando lá chegámos o Bruno veio logo a correr para o meu colo.

Bruno: Que bom Mariana chegas-te! Estava a ver que nunca mais chegavas.

Mariana: Demorei assim tanto?

Bruno: Sim, a minha irmã estava a ficar cansada de brincar comigo, agora tu podes brincar!

Mariana: Oh que fofinho, mas olha primeiro tens de cumprimentar as pessoas e depois vamos jogar ao que quiseres sim?

Bruno: SIM. – Ele cumprimentou o resto das pessoas e veio outra vez para a minha beira – Já podemos ir.

Rodrigo: Gostas de jogar futebol?

Bruno: Gosto muito porquê?

Rodrigo: Porque podias vir jogar comigo e deixavas a Mariana ir falar com a tua irmã que me dizes? – Perguntou o Rodrigo

Bruno: SIM. – Disse Bruno quase aos pulos

Rodrigo: Então vamos lá campeão. – Piscou-me o olho e foi para o jardim

Entretanto, nós já tínhamos subido e tavamos a falar animadamente no quarto.

Mariana: Mas agora diz lá, como correu aquilo ontem?

Diana: Foi…

Mariana: Foi? – Perguntei

Diana: Foi, lindo, maravilhoso, espantoso, tão bom, nunca senti o que senti naquele beijo, estou in love. – Disse deitando-se com um sorriso parvo na cama, deitei-me ao lado dela

Mariana: É tão lindo o amor. Mas espera aí. – Levantei-me ficando sentada

Diana: Que se passa? – Disse ainda com um sorriso parvo

Mariana: Vocês namoram não namoram?

Diana: Sim. – Deitou-se outra vez, ouvimos gritos do jardim – O Bruno e o Rodrigo dão-se muito bem – Disse ela ao aproximar-se da janela

Mariana: O Rodrigo, tem o poder de pôr todos a gostarem dele. E tem muito jeito com crianças.

Diana: Mas crianças já não. Vejam lá o que fazem, ainda sou muito nova para ter primos, ou sobrinhos. E vocês demasiado novos para serem pais, tens 15 anos.

Mariana: Pareces a minha mãe a falar, e daqui a uns meses faço 16 anos, e eu não quero ser mãe, pelo menos para já! E o mesmo serve para ti minha menina.

Diana: Sim, sim. – O telemóvel da Diana toca, ela vai atender e pela sua expressão não era muito alegre, acaba de desligar e diz – A Margarida pode estar grávida.

Mariana: O quê? – O meu sorriso desapareceu – Mas como?

Diana: Ela diz que o período está atrasado.

Mariana: Mas eles tiveram relações sexuais recentes?

Diana: Não sei, mas ela quer que nós vamos ter com ela agora.

Mariana: Onde?

Diana: A casa dela.

Saímos do quarto a correr, dissemos aos nossos pais que já vínhamos. Chegamos a casa da Margarida, ela estava desolada, chorava muito, tinha medo. A Diana foi comprar um teste de gravidez.

Mariana: Tem calma, vais ver que não vai ser nada. Mas vocês tiveram juntos?

Margarida: Estivemos, e não usamos proteção, eu esqueci-me completamente, nem tomei a pílula do dia seguinte. Fui tão burra Mariana. – Disse ela aos soluços e a chorar

Mariana: Foi um deslize, pode acontecer a qualquer um, e se estiveres grávida estás, sempre tens a hipótese de abortar.

Margarida: Mas não a mim, eu e ele é que fomos uns irresponsáveis, não tomamos os cuidados devidos. E os meus pais… Eles vão-me por na rua. Eles nunca irão compreender. – Ela chorava desoladamente

Mariana: Não sofras já, espera pelo resultado. – Tocaram ah campainha e eu fui abrir, era a Diana, entregou-lhe o teste e ela foi faze-lo, esperámos impacientemente pela Margarida, até que ela chega ah sala com o teste na mão – Então estás ou não?

Margarida: Não sei, não tenho coragem para ver. – A Diana, a mais impaciente de nós as 3 pegou no teste





Está aqui mais um capitulo. Comentem por favor. 
Será que Margarida está mesmo grávida??
Se querem saber a resposta esperem por amanhã e comentem!

Beijinhos Mara*

5 comentários:

LandD disse...

Publica rapido estou ansiosa :)

R*M disse...

Como foste tu a pedir para publicar rapidinho que vou publicar devagarinhooo :P
Gostei muito :)

R*M disse...

muahahahah eu adoro ser ma!!!
Mas eu vou publicar outro fica descansada *-*

R*M disse...

Depois eu é que sou ma... tu resolves tudo com violencia :P

R*M disse...

;P