Peripécias de Vida XII

Rodrigo: Nunca mais te vou largar, mesmo que tu não queiras eu vou estar aqui.

Mariana: Estou muito magoada contigo, nunca pensei que fosses capaz disso, neste momento quero esquecer-te, eu estava a gostar de ti realmente mas depois disto já não sei. – Disse desviando a cara para ele não me ver chorar

O resto do caminho foi silencioso quando cheguei ao hospital deram-me qualquer coisa para eu dormir e fui para o bloco de operações não me lembro de mais nada só de acordar com o Rodrigo à minha beira a mexer-me no cabelo.

Mariana: Onde é que eu estou? Que estás aqui a fazer? Porquê que eu estou aqui? Ai o meu pé. – Disse ainda muito confusa

Rodrigo: Doutor, ela acabou de acordar.

Doutor: Então Mariana como se sente?

Mariana: Muito confuso doutor. Que aconteceu? Porquê que estou aqui nesta cama?

Doutor: Calma, vou deixa-la com este jovem e ele explica-lhe tudo.

O médico sai da sala e deixa-me sozinha com ele.

Mariana: Vá explica-me tudo.

Rodrigo: Tem calma, eu entendo que estejas assim comigo. Só te peço para não me afastares.

Mariana: Tu próprio, encarregaste-te de fazer isso. Agora diz-me.

Rodrigo: Nós fomos buscar uns copos para ouvir melhor a conversa do André com a Margarida estávamos a subir as escadas e tu dês-te um jeito ao pé eu deixei tudo e vim ajudar-te fomos pó quarto da Clara e vi que tinhas partido o pé e chamei o 112 e agora estás aqui. – Disse ele

Mariana: Obrigada Rodrigo.

Rodrigo: Eu disse-te que nunca mais te ia largar e vou cumprir. Agora, vou-te deixar, deves crer descansar. – Disse ele enquanto atirava um beijo de despedida

Ele saiu do quarto, fiquei a olhar para lado nenhum, de repente alguém entra no quarto era a minha mãe com a bata de médica.

Mãe: Então o quê que andas-te fazer? – Disse enquanto se aproximava de mim

Mariana: Olá doutora, eu caí nas escadas e parti o pé.

Mãe: Vá, trata-me por mãe, quando soube pedi para ser eu a tratar de ti.

Mariana: É tão bom ter uma mãe médica! Olha, eu não tenho direito a nenhum beijinho? Agora estou doente mamã.

Mãe: Anda cá minha princesa linda. – Chegou-se perto de mim e deu-me um beijo na cara - Mas olha, vais ficar aqui internada pelo menos 5 dias.

Mariana: Uma semana sem aulas? Parece-me muito bem. Eia mas por outro lado vai ser uma seca.

Mãe: Pois, é acredita ninguém gosta de hospitais. Agora vou deixar-te descansar, precisas muito e vou para casa. Queres que te traga alguma coisa?

Mariana: Quero mãe! Claro que quero! Ora bem, o “Diário de Anne Frank”, telemóvel e fones é só mamã.

Mãe: E o mais importante?

Mariana: Mãe o que há mais importante que isso?

Mãe: Olha, por exemplo pijamas!

Mariana: Mas mamã eu isso já sabia que ias trazer. Vai-te lá embora.

Mãe: Mas que é isto? A minha própria filha a expulsar-me do meu trabalho?

Mariana: Mãe pensa assim, quanto mais depressa fores, mais depressa voltas sim?

 Mãe: Visto assim até tens razão. – Disse-me isto enquanto se despedia e saiu do quarto

Hoje sabia que já não ia receber mais visitas por isso deixei-me ficar a pensar tudo o que se passou hoje, tinha sido um dia com grandes emoções, descobri que o Rodrigo gosta de mim, que viu tudo e ficou ali a assistir à cena toda, beijei o Rodrigo e posso dizer que foi diferente acho que gostei mas isso pouco me importa. No meio destes pensamentos todos adormeci, sonhei com o Rodrigo o que é muito estranho porque eu nunca sonhei com um rapaz desde que me aconteceu aquilo, mas mudando de assunto já chega de bater na mesma tecla. Acordei com alguém a mexer-me no cabelo, sorri pensei que era a minha avó só ela conseguia fazer aquilo, mas quando abro os olhos e vejo que era o Rodrigo, o meu sorriso desapareceu.

Rodrigo: Bom dia, desculpa acordar-te.

Mariana: Bom dia, já estavas aí à muito tempo?

Rodrigo: Não acabei de chegar e como só tenho aulas à tarde, decidi, vir fazer-te uma visita. Mas se te estiver a incomodar ou quiseres estar sozinha diz que eu vou-me embora. – Disse ele

Mariana: Até foi bom, preciso de falar contigo. – Disse pondo-me sentada na cama

Rodrigo: Já sei qual é o assunto, diz.

Mariana: Rodrigo, eu juro que tenho perceber, mas não consigo porquê que não me ajudas-te?

Rodrigo: Mariana, tu tinhas 8 anos, eu tinha 9 anos, qual era a hipótese que eu tinha com ele, Mariana acredita que foi muito difícil para mim ver-te assim mas eu não podia intervir, quando vi o que estava acontecer fui logo à policia e denunciei-o era o mínimo que podia fazer. Desculpa, por tudo, nunca mais te vou largar. – Disse isto agarrando-me nas minhas mãos 

6 comentários:

writingspace1 disse...

Antes de mais, adoro o novo blog!
Acho que o Rodrigo tinha razão ele com 9 anos nao ia fazer grande coisa mas o que fez ja foi muito - chamar a policia.
Ele está a assumir uma atitude muito protectora em ralação à Mariana e ela parece que começa a gostar. :D

Sophie disse...

olá querida, ainda bem que gostaste ^_^
Li agora a tua história e adorei-a,já estou a seguir
beijinhos ;)

Sophie disse...

De nada querida ;)
Só estou a arranjar uma imagem e vou mesmo postar,ainda bem que gostas-te a sério querida (=

Sophie disse...

acredito,já lá está o novo capítulo ;)

*-*

cɑtɑrinɑ ; disse...

muito obrigada mesmo :'$$
também gostei da tua história (':
estou a seguir , beijinhos *

cris disse...

Obrigado lindaa :)