Peripécias da Vida LII


Eu e o Rodrigo dormimos juntos, e a Sónia não impôs quaisquer problemas. Aqueles braços ah minha volta faziam-me falta, para me sentir protegida e em segurança. Mas como andava às voltas, decidi ir ah cozinha beber alguma coisa. A Sónia também lá estava.

Mariana: Não consegues dormir? – Perguntei enquanto ia ao frigorífico

Sónia: Não e pelos vistos não sou a única querida. – Ficou um bocado atrapalhada com o que disse – Desculpa, não te devia ter chamado isso.

Mariana: Não faz mal. Podes-me chamar ah vontade. – Sorri

Sónia: Isso é muito bom, tu não gostas muito de mim pois não?

Mariana: Vou-te confiar, nunca fui com a tua cara. Mas também só tive contigo umas duas vezes.

Sónia: E provavelmente foi numa fase menos boa da minha vida.

Mariana: Eu sei que não sou propriamente da tua idade, mas posso tentar perceber…

Sónia: Eu fui mãe adolescente, ou seja tinha 16 anos e fui mãe. Os meus pais expulsaram-me de casa e o meu namorado naquela altura estava mais preocupado com outras coisas do que comigo, eu e ele terminamos a relação e foi cada um para seu lado. Eu pedi ajuda a uma instituição, a partir daí foi sempre batalhar, para que o meu filho tivesse sempre comida e onde dormir. Eu acabei o meu curso, também sou advogada até que no ano passado ele decidiu pedir a guarda do meu filho. – As lágrimas escorriam-lhe pela cara abaixo a uma velocidade incrível

Mariana: Se quiseres parar não faz mal, eu compreendo que não é fácil falar disto. – Dei-lhe a mão para ela perceber que não está sozinha

Sónia: Eu quero. – Fez uma pequena pausa e continuou – Na verdade foi quando conheci o teu pai. Não imaginas a segurança que ele me transmite, quando eu lhe contei a minha história ele não me virou as costas, ajudou-me, deu-me emprego, depois começamos a sair e pronto, aqui estou eu. Mariana o teu pai é um verdadeiro homem, e com H grande. Sim eu sei que a nossa diferença de idade é um bocado grande mas não me interessa. Eu gosto de me sentir amada, e ele faz-me sentir assim, feliz e amada. Percebes? Ele é o homem da minha vida. – Disse-o esboçando um pequeno sorriso

Mariana: É inacreditável, tu foste mãe com praticamente a minha idade. Eu não imaginava isso. Peço desculpa, porque te julguei e afinal tu és o oposto e eu sinto-me mal. – Disse pondo o meu olhar no chão

Sónia: Eu entendo, se visse o meu pai com uma mulher da minha idade ficava na mesma posição que tu. E olha, não comentas o mesmo erro que eu sempre que tiveres relações com alguém, usa proteção, é um conselho de amiga e mãe. – Disse sorrindo

Mariana: Posso dar-te um abraço?

Sónia: Ah muito que o espero. – Levantamo-nos e abraçamo-nos, foi especial, senti-me a abraçar a minha mãe, deu-me um beijo na testa e disse – Acho melhor irmos dormir, daqui a umas horas temos de estar a pé.

Mariana: Sim é melhor. – Fomos as duas para os quartos. O Rodrigo dormia profundamente, mas ao entrar na cama, acordou

Rodrigo: Onde é que foste? – Disse ainda muito a dormir

Mariana: Longa história amor. Dá-me um beijo. – Colei os nossos lábios, e beijámo-nos apaixonadamente, depois de um longo beijo ele virou-me para si

Rodrigo: Já não era capaz de viver sem ti! Meu anjo. – Disse-me sorrindo

Mariana: Nem eu sem ti! – E acabamos por adormecer

Na manhã seguinte fui acordada. Com alguém a bater ah porta do quarto. Abriu um bocadinho a porta.

Sónia: Está na altura de acordarem. – Disse com uma voz meiga

Mariana: Sim, nós já vamos. Vou só acordar este menino aqui! – Retorqui ainda um pouco a dormir

Sónia: Espero-vos lá em baixo. Tomem um banho. Já têm toalhas na casa de banho.

Mariana: Ok, obrigada. – Sorri

Ela fechou a porta. E estava na altura de acordar o Rodrigo, a pior tarefa do mundo!

Mariana: Príncipe, acorda. – Começei a dar-lhe beijos no pescoço

Rodrigo: Hum… Deixa-me dormir Mariana! É cedo!

Mariana: Vá lá, temos de ir para o hospital! – Exclamei

Rodrigo: Sim! Vamos. – Levantou-se num ápice – Anda, eu vou tomar banho!

Mariana: Queres que vá tomar banho contigo? Acho que a Sónia não ia gostar muito!

Rodrigo: Sim, ela tá a ser uma porreira connosco!

Mariana: Pois tá! Mas é assim que começas um dia? Nem me desejas bom dia nem nada. Tá bem, tá bem. Hás-de cá vir! – Fingi de amuada, chega perto de mim, desvia o cabelo e dá-me um beijo no pescoço

Rodrigo: Bom dia amor. – Põem-se ah minha frente e beija-me

Mariana: Estava ah ver que não. Agora vai tomar banho que eu vou ajudar a Sónia com o pequeno-almoço. – Dei um suspiro

Rodrigo: Que se passa? – Perguntou

Mariana: Não gosto de hospitais, e vais conhecer o meu pai. – Disse nervosa

Rodrigo: Não queres que eu o conheça já?

Mariana: Não é nada disso, parvo. Tenho medo que ele diga alguma coisa ah minha mãe.

Rodrigo: Não vai dizer nada amor. Não pense mais nisso. E não quero ver essa carinha assim… triste.

Mariana: Tens razão, vou descer. Toma banho rápido. – Dei-lhe um beijo rápido e desci

Já na cozinha.

Mariana: Bom dia Sónia. Dormiste bem? – Perguntei

Sónia: Bom dia Mariana, sim dormi bem e tu? – Perguntou sorrindo

Mariana: Também. Então, queres ajuda?

Sónia: Não é preciso, é melhor ires tomar banho.

Mariana: O Rodrigo, é pior que uma rapariga, demora horas.

Sónia: Podes tomar na do meu quarto! – Exclamou

Mariana: Acho que vou mesmo, ele nunca mais desce. Obrigada.

Fui ao quarto dela e do meu pai, era um quarto bonito, simples, a cama ocupava grande parte do quarto, depois na parede tinha um quadro dos dois. Estavam muito sorridentes! Entretanto fui ah casa de banho, liguei a água e fui ao meu quarto buscar a roupa, estava sentada na minha cama quando sinto umas mãos húmidas nas minhas costas.

Mariana: Ui, que mãos húmidas. – Virei-me para ele, que estava de toalha

Rodrigo: Vais tomar banho? – Perguntou

Mariana: Que te parece? – Comecei a despir-me

Rodrigo: A mim parece que a minha namorada está a despir-se mesmo ah minha frente. – Disse observando-me

Mariana: E estou, mas sim vou tomar banho. – Ele vem até mim e começa a beijar-me o pescoço, eu viro-me e fiquei colada a ele, comecei a dar-lhe beijos desde do peito, até ao fundo da barriga, levanto-me e vou tomar banho

Rodrigo: E isto é assim? – Perguntou

Mariana: É pois, vou tomar banho! Até já! – Estava a entrar no poliban, comecei a tomar banho e estava a escovar o cabelo, mas com a torneira fechada

No quarto, o Rodrigo pensava alto.

Rodrigo: Eu já te vou dar a vingança! – Foi à casa de banho e encheu um copo com água gelada, foi até ah beira do poliban, esticou-se e virou o copo por cima de mim! Eu dei eu grito saí do poliban, com uma toalha

Mariana: Eu juro que te vou matar Rodrigo! – Exclamei












Olá, peço desculpa por só postar agora, mas a imaginação tem falhado muito!
Espero que esteja do vosso agrado!
Comentem, e votem na sondagem!
O próximo capitulo estará muito em breve aqui!

Beijinhos Mara*

5 comentários:

Ana_Nogueira disse...

Adorei, e ri-me com a utima parte.
Continua, adoro a tua historia, e falta de imaginaçao nao te falta acredita. Bja.

R*M disse...

ahahah tadita da mariana. agua gelada? a rapriga ainda fica doente é mesmo mau o rodrigo.
adorei :)

ShOninhA disse...

*-* HAHA !! que dois!
Continua... ; )

Catarina disse...

o meu comentário preferido até agora, amo-te

Catarina disse...

são todos , mas este está mesmo fofinho *-*